HOME | RANDOM | ARCHIVE | ASK | THEME

Miriam,17 anos,Brasília ,Brasil.

Se acaso me quiseres,
Sou dessas mulheres
Que só dizem "sim!",
Por uma coisa à toa,
Uma noitada boa,
Um cinema, um botequim.

E, se tiveres renda
Aceito uma prenda,
Qualquer coisa assim,
Como uma pedra falsa,
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim.

E eu te farei as vontades.
Direi meias verdades
Sempre à meia luz.
E te farei, vaidoso, supor
Que és o maior e que me possuis.

Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte:
Te afasta de mim,
Pois já não vales nada,
És página virada,
Descartada do meu folhetim.

-Chico Buarque
































“Minha vida mudou muito nos últimos anos. Eu mudei muito nos últimos anos. Mudei sem oferecer a menor resistência. Mudei sem me surpreender com as mudanças. Elas simplesmente apareceram, aconteceram, me invadiram e se instalaram. Então, eu finalmente me senti em casa dentro de mim mesma. E hoje, mais do que nunca, sinto que não devo nada para ninguém. A gente demora demais para se livrar de pesos e culpas. Mas um dia, finalmente, a gente acorda. E descobre que tem uma vida inteirinha pela frente.”

Clarissa Corrêa (via sou-inseguro)







“Elas gostam do café da mesma forma que gostam de seus ex-namorados: amargos.”

O teorema de Katherine. (via sou-inseguro)

Posted on August/27/2014 With 215 notes














“Queria conseguir
escrever
sem citar
teu nome
nas entrelinhas.”

Verseto (via verseto)

Posted on August/25/2014 With 867 notes






“Eu chorei, já te contei? Chorei de ciúmes, de saudade, de vontade de estar contigo.”

Felipe Carvalho.  (via suprsoldier)



assgod:

i regret every selfie a day later

























“Pior do que ciúme é a falta de ciúme. A indiferença é uma doença muito mais grave. Alguém que não está aí para o que faz ou não faz, para onde vai e quando volta. De solidão, chega a do ventre que durou nove meses. Tão cansativa essa mania de ser impessoal no relacionamento, de ser controlado, de procurar terapia para conter a loucura. Loucura é não poder exercer a loucura.”

Fabrício Carpinejar. (via oescritor)