HOME | RANDOM | ARCHIVE | ASK | THEME

Miriam,17 anos,Brasília ,Brasil.

Se acaso me quiseres,
Sou dessas mulheres
Que só dizem "sim!",
Por uma coisa à toa,
Uma noitada boa,
Um cinema, um botequim.

E, se tiveres renda
Aceito uma prenda,
Qualquer coisa assim,
Como uma pedra falsa,
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim.

E eu te farei as vontades.
Direi meias verdades
Sempre à meia luz.
E te farei, vaidoso, supor
Que és o maior e que me possuis.

Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte:
Te afasta de mim,
Pois já não vales nada,
És página virada,
Descartada do meu folhetim.

-Chico Buarque








“Na hora, eu quis perguntar se tinha algo a ver com outra pessoa, mas quando estão nos abandonando ninguém nunca menciona nome de terceiros, sempre dizem nada ter a ver com outras pessoas, como se não existisse mais ninguém na cidade.”

Gabito Nunes.  (via garotaesuasfases)



floozys:

"hairless cats are disgusting!"

"hairy women are disgusting!" 

image
















Enquanto você insistir em remoer o passado aí na sua cabeça, não haverá paz na sua vida.









“Eu sempre odiei ser chamado de idiota, mas depois de você até que eu comecei a gostar. Já que você sempre me dizia que quando dissesse “você é um idiota” em qualquer discussão nossa, a raiva já tinha diminuído 2%. E esses dois porcentos pra mim, que sempre foram nada, era coisa demais. Você sempre gostou de gritar no telefone, bater o pé, tentar me dar tapa no ombro (você não alcança) e sempre me mandou te deixar em paz. Mas assim que eu desligo o telefone ou dou as costas, você bate o pé mas é com um efeito contrário, é aquele efeito de “volta aqui”. E eu volto. Volto pra ouvir você dizer que nunca tá errada, mas que pra eu te deixar em paz, era só ir embora. Mas pra te dar paz era só ficar. Você tem lá suas mil paranóias, inseguranças e tem vontade de mandar cada pessoa que convive comigo sair de perto de mim. Mas as vezes se amarra em pagar de durona e fingir que não liga. Do tipo “quer sair? Vai.” Com um ar de “vai pra você ver o que te acontece” e quem vê até pensa que é esse perigo todo. Você gosta de ser independente, mas só Deus sabe como é insegura. Você me chama de idiota, dá risada quando eu grito no telefone ou quando eu digo “cala boca” e você tenta me pirraçar dizendo que eu não mando em você. Você é desses tipos de garotas que todo cara pretende driblar o caminho pra não cruzar de jeito nenhum com você. Porque você é diferente, e diferença não dá pra evitar de ficar amarrado em você. Você vai e volta como um estilingue, e mesmo com as suas mil nóias e paranóias, eu espero aquele “idiota” que eu recebo diariamente de você. E por esperar até isso, pô… Eu sou mesmo. Tipo, sei lá. Você me faz bem e as vezes também me deixa fora do sério, não da explicar o que você causa em mim, só sei que é bom mas que você é imprevisível e diferente. O que torna tudo simples, só que muito mais complicado. Eu sou mesmo idiota, e você é mesmo a pessoa mais difícil e impulsiva de lidar. Mas ainda assim, esse teu estilingue continua funcionando. E eu continuo segurando ele, como todo bom idiota que eu sou. (Já diria você).”

robin and stubb.   (via palesttina)







“Pra você guardei o amor que nunca soube dar.”

Nando Reis. (via doistonsdeamor)































“Me desculpa por eu ser assim, toda errada, por sempre exigir atenção demais, por te encher com meus dramas. Me desculpa por ter tanto ciúmes, por me irritar e descontar em você, por minhas paranóias sem sentido. Enfim, me desculpa. Não sou assim porque quero, tudo isso é medo. Medo de te perder, de que você vá embora, de que nenhum de nossos planos aconteçam. Eu queria poder ter certeza de que, daqui alguns anos, eu vou acordar de madrugada, olhar pro lado e ver você todo lindo, dormindo. Queria a certeza de que vamos ficar juntos, ter filhos e levá-los para passear nos fins de semana, de que vamos discutir sobre como decorar a nossa casa e sobre qual será o nome da nossa filha. Fico toda boba imaginando e fazendo planos para nós, afinal, ninguém disse que é proibido sonhar.”

in—constante (via doistonsdeamor)







  • 14 years old: I'm young but I know what I want. This isn't that hard, I'm all grown up already and have everything figured out.
  • 17 years old: Well, this is a little harder than I thought. School is almost ending. What am I going to do with my life?
  • 21 years old: What the fuck is going on? Where are my socks?






“De tempos em tempos dou uma pausa no drama excessivo e viro do avesso pra me tornar essa pessoa calminha, despreocupada e de bem com a vida. Só até me cansar e correr de volta pro olho do furacão. Sou meio inconstante, pode-se dizer assim. Uma hora quero calmaria e na outra quero tempestade. Pra falar a verdade, nem sei o que eu quero. Vivo pra descobrir isso.”

Iolanda Valentim.   (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)